A vida em cena

Por diversas vezes me perguntei se a vida imita a arte ou a arte imita a vida e nunca consegui responder com total certeza essa questão. Em diversas telas podemos observar a natureza retrada, um fato histórico sendo reproduzidos nos cinemas, uma biografia sendo narrada. Isso me faz entender que a arte imita, conta a vida, a nossa história

Por outro lado, assistimos boquiabertos a ataques nucleares, ‘guerras estrelares’, invasão alienígena, a vampiros bonzinhos, naufragios com sobreviventes, resgates impossíveis, romances capazes de diluir a alma, histórias cativantes e outras repugnantes. Ao seu término, respiramos aliviados por tudo não ser nada menos que ficção. Agradecemos por nem sempre a vida imitar a arte.

Desde crianças aprendemos a diferenciar o bem do mal e nas estorinhas, comumente torciamos pelos mocinhos e para o bem de todos, nossos valores eram mais definidos, a gente gostava do bem, tinha predisposição a fazer o que era moralmente aceito, socialmente aceitável. Hoje tudo isso mudou. Não somos todos maus, mas parece que fazemos parte de uma grande novela e, quanto antes escolhermos nosso lado, melhor.

Assistimos atônitos o desenrolar da história, da nossa história e ficamos diversas vezes nos perguntando o que é que deu errado. A gente assiste aviões se chocando contra um enorme prédio, homens se explodindo, assistimos o nazismo instruindo uma nação a ter preconceitos. Vivenciamos tempos de guerra em nome da paz, em nome da fome, em nome de Deus.

Aos poucos nos habituamos a ter nossas crianças sendo arrastadas por carros estrada a fora, crianças sendo arremessadas pela janela, descartadas no rio como sacolas de lixo, adolescentes mortos dentro das escolas, pessoas intolerantes que medem o valor das pessoas pela orientação sexual e cor da pele. Meninas brincando com bonecas de verdade e meninos com armas de grosso calibre. São cenas que nem o mais audacioso cineasta ousaria criar.

Aqui a arte não imita a vida. A vida deixa de seguir seu roteiro original e na base do improviso, desenrola sua trama numa reação em cadeia. Como se o primeiro ator que errou tivesse desencadeado todo o resto. Tudo é senão, uma continuação de erros. Para nosso alento, a vida, assim como a arte, tem o poder de nos surpreender a cada ato. Seja no sorriso de uma criança, no abraço de um amigo ou num ato de solidariedade. Nossa trama desenrola em tempo real sem expectadores, posto que somos nós enquanto humanidade, os protagonistas.

Somos parte do todo, cada um com seu papel. Atores entram e saem de cena o tempo todo, cada um compõe e marca sua passagem. Esperamos que assim como na arte, tenhamos também um the end feliz.

“O mundo é um palco, e homens e mulheres, não mais que meros atores. Entram e saem de cena e durante a sua vida não fazem mais do que representar”

[William Shakespeare – Como gostais]

Anúncios

4 comentários sobre “A vida em cena

  1. Ainda há aqueles que deixam a vida passar, passando ser simples expectadores, não se importando que são atores. A vida não é bela, como contada nos livros de ficção, mas por outro lado, às vezes, a arte imita a vida e a vida imita a arte.

    Beijos.

Vai, agora é a sua vez de falar

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s