Unanimidade burra das cotas raciais

No último dia 26, o STF aprovou com unanimidade a legalidade das cotas raciais nas universidades brasileiras.

Assunto complexo, que merece toda a nossa atenção e discussão. Se de um lado as cotas viabilizam o ingresso de milhares de jovens que de outra forma não teriam oportunidade de um futuro melhor, do outro promovem uma segregação da nossa sociedade.

Eu sou contra o sistema de cotas, todas elas. Acho que é uma afronta e um ato imenso de inconstitucionalidade, porque fere o Artigo 5° da Constituição Federal que diz que todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza. Porém sabemos que a realidade brasileira não está em sintonia com a nossa constituição, não há igualdade de tratamento diante da lei, tampouco nas oportunidades e condições.

Na minha opinião, o cerne da questão está na educação pública de qualidade. Para que não haja discrepância no ensino brasileiro é preciso uma política compromissada com o bom ensino, investimentos em capacitação de professores, melhor remuneração e estrutura escolar. Claro que falar disso soa como utopia, afinal de contas é mais fácil fabricar paliativos contra a desigualdade do que exterminá-la do nosso meio. Entendo que as cotas são como uma espécie de presente do governo, algo do tipo: “Olha aqui seu pobre e negro, já que você é discriminado e não tem dinheiro, eu vou te ajudar a ser alguém na vida”. No final, se a gente parar para pensar, não é isso mesmo que acontece?

O ideal seria universidades públicas de qualidade para todos, fazendo jus assim ao princípio de isonomia que nos “garante” a CF/88. O Enem e o ProUni são benéficos, porém ineficazes enquanto houver a possibilidade de ingresso de alunos oriundos de escolas privadas (sempre há quem burle o sistema), sem contar que também ferem a constituição. Enfim, são remédios imediatos contra a desigualdade que não resolvem e só fomentam ainda mais o preconceito e a segregação.

A decisão unanime do STF me chocou, não que eu não soubesse que as cotas raciais seriam aprovadas, disso eu sempre soube porque a gente sabe que no Brasil as coisas são resolvidas na base do “dar o peixe, mas jamais ensinar a pescar” porque para uma nação pobre de cultura, leitura e informação de qualidade isso seria muito perigoso. A unanimidade do STF nos prova que o Brasil não quer um país justo, eles querem um país separado por cores, sem no entanto levarem em conta a grande miscigenação do povo brasileiro. Quem de nós, brasileiros natos, não temos sangue negro e índio correndo em nossas veias? Pois então que se rasgue a nossa constituição e seremos um povo que recebe esmola do governo com a vil desculpa de reparação  histórica de preconceito e escravidão. Vamos aceitando, nunca com resignação a cada desrespeito como este e acreditando sempre que um dia, com a força da informação conseguiremos ser um país onde as pessoas sejam realmente tratadas como iguais.

E a cada dia mais me convenço do que Nelson Rodrigues disse, toda unanimidade é burra.

Anúncios

6 comentários sobre “Unanimidade burra das cotas raciais

  1. Lara Serpa disse:

    Nelson Rodrigues tinha razão… Eu não me choquei com a unanimidade do STF pelos mesmos motivos que vc. Também concordo que por aqui haja uma política de “empurre com a barriga enquanto puder”, mas não sou absolutamente contra as cotas, por exemplo as sociais. Claro que queriamos uma educação igualitária, que ninguém precisasse disso, ou que o caminho para as universidades fossem único para todos: Enem. Mas cotas sociais permitiram que pessoas de baixa renda entrasse para as universidades, se formassem e construíssem um novo futuro para as suas vidas. Isso não é ruim. Acho errado as cotas raciais também, acredito que elas promovem uma segregação como vc disse, porém também beneficia a quem não tem oportunidade.

    Temos que ter em mente também Carol que o negro se auto-exclui da nossa sociedade. Dificilmente vemos negros em teatros, e não é porque o ingresso é caro e a maioria deles não têm verba, é que eles próprios são racistas. Mentalidade tacanha de quem se vitimiza pela cor. Será que não temos tantos negros nas universidades brasileiras porque eles não buscam esse caminho? Será também que eles não são racistas a esse ponto. Eu creio que sim. Para isso, não adianta cota, nem ajudinha do governo.Para isso precisa haver educação, conscientização, não nossa “classe branca”, mas deles, a classe auto excluída.

    Enfim, gostei muito do seu texto, concordo com vc e queria acreditar também que uma educação básica de qualidade não seja apenas utopia.

    Grande beijo.

    • Carol Machado disse:

      A gente espera que não seja utopia mesmo.

      Interessante o que vc disse, sobre a auto-exclusão do negro em muitos eventos culturais. Os negros são bastante racistas. É preciso acabar com essa mentalidade tacanha. Como fazê-lo? Educação? Sim, e a gente fica dando voltas perseguindo o rabo infinitamente…

  2. Poxa, Carol!

    Assino em baixo de tudo! Sempre achei que o sistema de cotas raciais fosse uma mera reiteração do preconceito.

    Claro que tem todo um contexto histórico de escravidão, abusos…coisas que ainda hoje refletem. Mas a sociedade mudou, o país todo é miscigenado, como você disse. Como segregar o que não é possível segregar? Só classificar pela tonalidade da pele? O que for mais escuro merece mais uma vaga do quê aquele que passou pelas mesmas dificuldades, mas que, por um “grande azar”, é considerado branco? Se for pensar assim, o branco pobre está perdido! Foi esquecido!

    Enfim… se tivesse que ter cotas, que fossem sociais. Fariam muito mais sentido. Evitaria qualquer tipo de discriminação pelo fenótipo, não definiria raças, não feriria o art. 5º de nossa Carta Magna.

    E assim caminha o nosso país… hipócrita como sempre!

    STF é político. E política nunca foi sinônimo de justiça, infelizmente.

    Belo texto!

    • Carol Machado disse:

      pois é Lilian, penso da mesma forma. Quem é pobre e branco acaba ficando esquecido nesse meio todo. Ou incluem os negros nas cotas sociais, ou acabam com todas, uma vez que melhorar a educação para que não haja nenhuma diferença do ensino, ninguém sequer toca no assunto…

Vai, agora é a sua vez de falar

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s